Quando o assunto é amamentação natural, existem muitas informações desencontradas. Algumas crenças populares sobre como ter sucesso durante a amamentação ou mesmo como ela pode ser prejudicada. Esses mitos permeiam em todos os lugares, e principalmente eles são compartilhados por parentes mais velhos, amigos, páginas de revistas sofisticadas, etc…

Enquanto isso, no mundo existe uma abordagem chamada medicina baseada em evidências: essa abordagem verifica tanto os “métodos geralmente aceitos” quanto os “fatos conhecidos” e novas hipóteses através de pesquisa. E o resultado às vezes são dados muito interessantes! Entenda o que é a amamentação natural e 5 benefícios comprovados, e o que ela tem de especial.

Amamentação natural

Se você está ainda pensando em não amamentar seu bebê com amamentação natural ou seja com leite materno, provavelmente já fez muitas pesquisas e/ou recebeu algum conselho desmotivador, e está inundada de informações. Essa é uma decisão pessoal que só você pode tomar, no entanto procure levar em consideração o que a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda sobre a amamentação natural.

Antes de tomar qualquer decisão, quero te lembrar que o aleitamento materno é um alimento completo para o bebê. A amamentação com leite materno fornece vitaminas, nutrientes e calorias ideal para a criança. Além de ser infinitamente melhor que qualquer outro alimento não natural como as misturas ou seja leite em fórmulas, ele é facilmente digerido e está prontamente disponível.

1. Sobre a lactação prolongada

É fundamental saber que a amamentação com leite materno é a principal responsável pela saúde e formação de um bebê. Mas, ao mesmo tempo, acredita-se que todos os bônus para da amamentação natural perder-se no leite materno com o passar do tempo.

De fato, é claro, os benefícios do leite materno não desaparecem rapidamente, assim que o bebê tem um ano (ou dois, ou três…) e, além disso, a amamentação prolongada tem benefícios a longo prazo. A saúde e desenvolvimento de uma criança alimentada com a amamentação natural é indiscutivelmente melhor. Embora os leites em fórmulas estão cada sendo melhorados, não há como comparar com o que a natureza nos presenteou.

2. Melhor aprendizado

Conforme pesquisas realizadas ficou comprovado que as crianças que foram amamentadas com aleitamento materno, tiveram uma melhora da habilidade no processo de aprendizagem e mais facilidade no processamento de informações.

Fica então constatado e provado que o principal alimento nutricional interfere de forma direta no desenvolvimento da criança de forma positiva. Após ajustes para renda familiar, fatores maternos e desenvolvimento inicial da família, verificou-se que a amamentação natural por mais de seis meses era especialmente importante para os meninos: literalmente, todo mês adicional de amamentação estava associado a um melhor sucesso em matemática, leitura e ortografia.

O que é contrário aos mitos que são comuns que a amamentação inibe o desenvolvimento da criança! E enquanto você estiver amamentando seu bebê, estará investindo de forma grandiosa para o desenvolvimento dele.

3. A amamentação e o ganho de peso

Frequentemente, as mães de bebês são informadas de que seus filhos não estão ganhando peso “como deveriam”, enquanto se concentram nas normas de ganho de peso. As crianças que são amamentadas com outros tipos de alimentos como os de leite de fórmula, são mais fortes e gordos. Vale lembrar que a situação da norma é justamente o crescimento dos bebês no leite materno! 

Um bebê se desenvolve como é geneticamente colocado, e não como decidido pelos tecnólogos na produção da mistura. Os padrões gerais foram identificados da seguinte forma: bebês nascidos que tem baixo ganho peso, amamentados com outras misturas, geralmente ganham peso muito ativamente nos primeiros dois meses de vida. 

Pelo contrário, reduziram bastante a taxa de aumento, a partir do 9º mês de vida, e em cerca de um ano o peso de foi nivelado. Ao mesmo tempo, uma observação separada de crianças nascidas com aumento de peso corporal mostrou que, nos primeiros 4 meses de vida, não houve diferenças particulares no ganho de peso entre as crianças que estava amamentando outros tipos de leite.

Mas se o bebê estava amamentando com leite materno por mais de 12 meses, seu índice de massa corporal (IMC) permanecia dentro dos limites normais e, se a amamentação fosse interrompida mais cedo, o IMC era significativamente maior que o normal, pelo menos até os três anos de idade.

amamentação natural

4. Amamentação fortalece os ossos da mãe

Quantas vezes você já ouviu ou leu a opinião de que a amamentação “libera cálcio do corpo”? De fato, embora o cálcio, é claro, seja consumido na produção de leite, a natureza forneceu um seguro – afinal, a alimentação completa da prole deve ser uma vantagem biológica e não um fator de risco. A amamentação natural diminui o cálcio do corpo da mãe que amamenta? De fato, embora o cálcio, seja consumido na produção de leite, a natureza ajuda a repor.

E em uma mulher que amamenta, o cálcio é absorvido muito melhor pelos alimentos, e isso acontece no nível de uma das características do metabolismo geral do corpo. Portanto, esses dados são obtidos com estudos de cientistas. Um grupo de finlandeses analisou a força dos ossos da articulação do quadril e da perna em 145 mulheres de 36 a 60 anos de 16 a 20 anos após o último nascimento.

Aquelas que estão amamentando há mais de 33 meses de vida (e não importa quantas crianças), elas tinham maior força dos ossos da articulação do quadril e da perna, independentemente da altura e do peso, além da presença de menopausa, terapia hormonal e atividade física no momento.

5. Protege contra o câncer de mama

Os padrões gerais revelados por esta meta-análise são os seguintes: mulheres com câncer de mama tiveram, em média, menos partos e sua duração média de amamentação foi mais curta (9,8 meses versus 15,6 meses).

Verificou-se que o risco relativo de câncer de mama é reduzido em 4,3% a cada 12 meses de amamentação, além de uma diminuição de 7% em cada nascimento. Esses dados são independentes do país, idade, menopausa, origem étnica e idade de nascimento do primeiro filho.

Portanto, uma das maiores as vantagens para as mulheres que amamentam com leite materno está a diminuição do risco de câncer de mama. Conforme estudos realizados apontam que, a cada 12 meses de aleitamento, as chances de aparecimento de um tumor mamário em uma mulher diminuem em 4,3%.

A tendência de amamentação prolongada é, obviamente, um tópico especial para futuras mães.

Conclusão

Como você viu os benefícios da amamentação natural são tão numerosos que a Organização Mundial de Saúde recomenda para todos as crianças pelo maior tempo possível, lembrando sempre que em alguns casos não tem como a mãe amamentar seu bebê por algum problema médico.

O leite materno contém anticorpos e outros elementos que protegem o bebê de doenças e inclusive as crônicas. Sem dúvidas é a melhor forma de alimentação que você mamãe pode dar, se puder. Além disso, não é somente o bebê que tem os grandes benefícios quando se fala em amamentação natural, mas você também tem e, por razões de saúde e conveniência.

Não importa qual vai ser a sua escolha, mas diante de tantos benefícios espero que opte por alimentar seu filho com leite materno, e assim aproveitar cada momento sublime de amor e carinho compartilhados ao contato pele a pele.

Quando uma mulher está amamentando são inúmeras as dúvidas sobre como vai ser esse período. Por isso, trazemos informações para que as mamães possam acompanhar a essa fase tão importante e gratificante. Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos. Confira outros assuntos sobre amamentação e muito mais aqui em nosso site. Obrigada e até a próxima!

Aproveita e deixe seu comentário