As diretrizes nutricionais para as mamães que amamentam são bastante controversas. 

A verdade é que uma mãe que está alimentando seu bebê com leite materno, precisa repor todos os nutrientes e vitaminas. Tanto ela como o seu filho, necessitam de estarem bem nutridos. Vamos entender esse assunto.

Noções básicas de nutrição

Tudo o que a mãe come, de uma forma ou de outra interfere na amamentação. De modo que a nutrição, antes de tudo deve ser saudável e equilibrada. 

De fato, a lista de alimentos seguros para mamãe e bebê é bastante ampla. Frutas frescas e processadas termicamente (cerca de 300 g por dia) e vegetais (400 g por dia) podem ser incluídas com segurança em sua dieta.

Isso também se aplica aos cereais, os mais seguros são arroz, trigo e milho, uma vez que não contêm glúten (uma proteína que pode causar alergia no bebê).

Tanto o requeijão como o queijo, podem ser consumidos.

No entanto, os de variedades com mofo, por usarem fungos penicillium, podem afetar a microflora intestinal, esses não devem ser consumidos.

Todos os dias você precisa comer carne, é melhor começar com variedades hipoalergênicas: vitela, coelho e peru.

O consumo de carne de frango pode ser alergena e deve ser evitado durante a amamentação. E a carne de porco também não dever fazer parte do cardápio de uma mãe que amamenta devido ao alto teor de gordura.

Os peixes (carpa, bacalhau, pescada etc.) é suficiente para incluir 1 a 2 vezes por semana no menu. 

Se uma mãe que amamenta é vegetariana, certamente deve procurar um substituto completo para a carne em outros alimentos. 

Antes de tudo, para obter cálcio no leite, você precisa diversificar seu cardápio com sementes de gergelim, brócolis e amêndoas. Se, a mãe não consome produtos lácteos e ovos, seu organismo pode sentir falta de vitaminas B2, B12, A e D, respectivamente inclusive no leite materno.

Isso pode afetar a saúde do bebê. Portanto, é necessário incluir essas vitaminas além de uma forma sintética. No entanto, com todas as deficiências do vegetarianismo, o leite será mais ecológico e que tendem a acumular agentes cancerígenos

O pão integral deve ser incluído no menu diário; as frutas secas (damascos e ameixas) são muito importantes.

Melhor evitar

Mães não podem em hipótese nenhuma durante a amamentação fazer uso de bebida alcoólica, uma vez que penetra no leite materno. Permitido no máximo de 50 a 100 ml. vinho tinto seco por dia. 

Além dos efeitos tóxicos, o consumo excessivo de álcool afeta a produção de ocitocina e pode interferir na liberação de leite dos dutos.

Uma mãe embriagada, perde a vigilância e não pode cuidar adequadamente do filho.

Quanto à nutrição, vale a pena evitar os produtos semicongelados, bebidas, picles e marinadas, embutidos, carnes defumadas, frituras, gorduras, bolos e doces, produtos com aditivos artificiais, corantes, conservantes, agentes cancerígenos, etc.

Como a dieta da mãe ajuda fortalecer o leite materno
Como a dieta da mãe ajuda fortalecer o leite materno

Alimentos que devem ser vistos com cautela

A lista de produtos a serem tratados com cautela por uma mãe que amamenta é bem grande.

Antes de tudo, deve-se tomar cuidado ao consumir leite de vaca in natura, pois sua proteína é um alérgeno muito forte. Alimentos potencialmente alergênicos não devem ser excluídos: frutas exóticas (frutas cítricas, abacaxis, etc.), alguns frutos do mar (camarões, mexilhões, etc.), ovos, etc.

Frutas e legumes com pigmentos vermelhos. Tais como as framboesas, morangos, pimentas, etc, devem ser evitados. As nozes podem atuar como um alérgeno, se pude evite.

Não merecidamente cebola e alho estavam na lista de alimentos indesejáveis. Eles realmente dão ao leite um cheiro incomum, mas isso não faz com que o bebê fique menos interessado em amamentar.

Sobre o café, se uma xícara de café da manhã é um ritual invariável na vida de uma mãe que está amamentado, se ela tomou durante a gravidez, o bebê já está acostumado a essa substância e provavelmente não terá alergia.

No entanto, o café pode deixar o bebê excessivamente inquieto. A propósito, o chá não contém menos cafeína, da qual as mães devem se lembrar. 

No entanto, você não deve tomar chás de ervas sem antes se familiarizar com a composição deles. Por todos os benefícios das ervas, algumas delas, como hortelã ou sálvia, reduzem a produção de leite. 

Ao mesmo tempo, muitas ervas, aumentam a lactação. Estas incluem erva-doce, anis, urtiga, folha de mirtilo, uva-ursina, feno-grego, além de especiarias, cominho, canela e gengibre.

Você precisa evitar produtos que causam alergias. Uma mãe que tem uma reação alérgica ao comer mel, o bebê provavelmente terá o mesmo.  

Experimentando um novo produto

Os alimentos permitidos que foram consumidos durante a gravidez, podem continuar em seu cardápio.

Se a mãe tem dúvidas, sobre o que é melhor comer, pode fazer testes com os alimentos ou ainda procurar um nutricionista.

Fique atenta, se o bebê não apresentar os seguintes sintomas: erupção cutânea, vermelhidão na pele, distúrbios do sono, alteração nas fezes ou dor abdominal, então pode consumi-los tranquilamente.

Método de cozimento

Praticamente não há contradições nessa questão. Mas no caso de alimentos fritos é bom evitar. É melhor consumir apenas alimentos cozidos 

A fritura é um método de cozimento onde compostos químicos podem se formar e são prejudiciais à saúde tanto da mãe quanto do bebê.

Se puder evite o uso de micro-ondas, na preparação dos alimentos. Todo o resto está de acordo com as preferências da própria mãe.

Mitos sobre a nutrição das mães

Alergias em crianças estão relacionadas exclusivamente à nutrição da mãe

De fato, alguns produtos podem causar uma reação alérgica no bebê. Pode ser por inúmeros fatores, são os produtos tais como: detergentes, cosméticos, e ainda poeira, animais de estimação e outros.

Se o bebê tiver alergia, é necessário eliminar gradualmente todos os fatores, essa é a única maneira de descobrir a verdadeira causa da.

Se você comer muitos alimentos ricos em calorias, haverá mais leite

O conteúdo calórico dos alimentos não afeta a quantidade na produção de leite. É melhor para uma mãe que amamenta comer com frequência, mas em pequenas porções. 

A quantidade de calorias no organismo de uma mãe que amamenta pode aumentar no máximo de 500 por dia. A norma recomendada, é cerca de 2500 a 2700 calorias. A norma mínima permitida é 1500 a 1800 calorias.

A fisiologia da lactação é a principal responsável pelos hormônios cerebrais – prolactina e ocitocina.

A ocitocina é responsável pela liberação de leite pelos dutos e também o humor e as condições gerais da mãe.

Mas a frequência e duração da amamentação, a eficácia da sucção, o processo organizado e o descanso da mãe, ajudam na quantidade de leite.

Quanto mais gordo o leite, mais saudável ele é
Quanto mais gordo o leite, mais saudável ele é

Quanto mais gordo o leite, mais saudável ele é.

Leite com muita gordura nem sempre é bom. Em primeiro lugar, será mais difícil para o bebê sugar e digeri-lo. O aumento da viscosidade das gorduras no leite é repleto de lactostase. 

No entanto, é impossível excluir completamente os alimentos gordurosos da dieta. Ao mesmo tempo, gorduras vegetais encontradas na (azeitona, girassol e outros óleos) são preferíveis.

Chá com leite aumenta a quantidade de leite

Como mostra a prática, cada mãe tem seu próprio “segredo” para aumentar a lactação. Se isso funcionar, continue tranquilamente. A principal coisa aqui é não exagerar e monitorar a condição da criança.

  • A propósito, o notório chá com leite geralmente não é um recomendável. 
  • É melhor para uma mãe beber água pura ou mineral sem gás.
  • Comer compota de frutas secas (ameixas, damascos, passas, maçãs e peras secas).
  • Se for tomar chá que seja fraco e de preferência verde.

Para ter mais leite, você precisa beber bastante água

Há uma opinião de que, durante a amamentação, a mãe deve beber muito líquido, para aumentar a quantidade de leite. Mas nem tudo é tão simples. 

No corpo humano, o hormônio vasopressina está presente, ele é responsável pelo equilíbrio da água no organismo. 

Naturalmente, o corpo precisa de água e, quando uma pessoa está com sede, a quantidade de vasopressina aumenta, o que impede o corpo de seccionar água. E se houver muita água, o excesso de líquido (sob a influência da vasopressina) é excretado no organismo.

No entanto, durante a lactação, a vasopressina afeta indiretamente a produção de ocitocina. Se houver muita água no organismo, a produção de ocitocina é diminuída. O leite é excretado isso é pior para os dutos de leite e pode ocorrer inchaço. 

E se uma mulher bebe pouco, está constantemente com sede, a quantidade de vasopressina aumenta, mas ele começa a economizar o líquido para si mesmo, então há menos leite.

Portanto, a melhor solução é beber apenas quando está com sede. Se a mãe não estiver com sede, é melhor não se forçar o consumo.

A mãe que amamenta deve seguir uma dieta

A mãe deve se alimentar adequadamente, tanto para se manter saudável como para ter leite suficiente para seu filho.

Importante ressaltar que durante a amamentação, você não pode usar chás para perda de peso, suplementos nutricionais para reduzir o apetite ou tomar diuréticos. 

Se a nutrição da mãe for saudável e equilibrada, o excesso de peso ganho durante a gravidez desaparecerá gradualmente sem causar danos à saúde.

Todas as mães e bebês são diferentes, por isso é quase impossível ter um guia alimentar único. Cada uma é guiada pelo senso comum e pelos princípios da boa nutrição. 

Quando uma mulher está amamentando são inúmeras as dúvidas sobre como vai ser esse período. Por isso, trazemos informações para que as mamães possam acompanhar a essa fase tão importante e gratificante.

Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos. Confira outros assuntos sobre amamentação e muito mais aqui em nosso site. Obrigada e até a próxima!

Leave a comment