Como estimular a confiança no primeiro ano de vida do bebê

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Você quer que seu filho seja feliz e inteligente? Você pode ajudá-lo – oferecendo a ele o que é importante para o desenvolvimento do cérebro no momento certo.

Se eles quase pudessem sentir o que estava acontecendo dentro deles, provavelmente os bebês recém-nascidos não dormiriam tão confortavelmente a maior parte do dia. Porque, nas mentes de algumas semanas, estão acontecendo grandes mudanças. Seu cérebro trabalha com desempenho máximo desde o nascimento. E enquanto seus pais ainda estão completamente atordoados com a nova e tenra felicidade, seus pequenos já se encaminharam para o futuro. Todos os bebês são geneticamente programados para serem inteligentes. Você gosta de aprender. Do começo. E se os pais os apoiarem, nada pode dar errado. Mais tarde, eles se tornarão pequenos alunos inteligentes da primeira série. Mas, antes de tudo, há anos emocionantes pela frente em que você deixará muitos marcos para trás.

A confiança limpa a mente

Confiança básica é a palavra mágica que pode fazer com que pessoas pequenas e altas tenham o melhor desempenho. O desejo de viver e aprender é inato em todo bebê saudável. Mas o que é preciso para desenvolver todos os seus talentos é segurança. Os bebês podem descobrir e entender melhor o mundo quando sentem a proximidade e a proteção constantes de seus pais ou de outros cuidadores. Esta é a única maneira de se sentirem seguros. Seus cérebros pequenos funcionam de maneira particularmente eficaz quando aprendem relaxado, sem medo e estresse e podem absorver o que o ambiente oferece em termos de informação. “Os bebês que estão apenas ocupados certificando-se de que não estão sozinhos não têm capacidade para processar descobertas interessantes”, disse o cientista do apego Dr.

O psiquiatra infantil Brisch e seu colega Professor Gerald Hüther, neurobiólogo da Universidade de Göttingen, pesquisam o que as crianças precisam para um desenvolvimento saudável há anos. Particularmente importante nos primeiros doze meses: um forte vínculo com mamãe e papai. Um vínculo seguro, a partir do qual a confiança básica cresce, se desenvolve no primeiro ano de vida. Então, quando o bebê se sente compreendido e suas necessidades de comida, calor, ternura e estímulo são prontamente atendidas. A natureza garantiu que todas as mães e pais sintam intuitivamente o que seus filhos precisam. O apego surge quando os pais confiam nessa intuição em uma interação com o bebê. Através do toque, contato visual, diálogos. Eles recuperam o amor que os pais dão aos filhos: como um sorriso adorável, um chiado feliz enquanto abraçam e abraçam. A sensação de que eles podem acalmar o bebê e os muitos pequenos avanços no desenvolvimento que podem observar com ele.

Aprenda sem estresse

Desde o nascimento, as células nervosas do cérebro do bebê absorvem avidamente todos os sinais e informações que chegam até eles através dos órgãos sensoriais. Eles tentam organizá-los em rede entre si – cabos são colocados, pontos de comutação (sinapses) são construídos. Surgem padrões complicados que permitem à criança reconhecer relacionamentos, regras complexas, tirar conclusões lógicas e agir de acordo. Quanto mais as crianças ficam, mais estáveis ​​são esses padrões. Por exemplo, se um bebê de sete meses quer o ursinho vermelho deitado no chão na frente dele, isso não é mais um problema. Um impulso vai para o cérebro e o processo está em andamento: estenda o braço, abra as mãos, agarre. Isso exigiria um esforço tremendo três meses antes. Passo a passo, as regiões individuais do cérebro se acumulam. Novas conexões são criadas para cada etapa do desenvolvimento nos primeiros meses. E o bebê precisa de muito descanso e apenas o máximo de estímulos que puder processar.

Tempo suficiente para aprofundar o conhecimento

No começo, as conexões das células nervosas no cérebro ainda são muito frouxas. Eles só consolidam se forem confirmados repetidamente.
Observando: Os bebês mantêm uma estatística interna. O que sempre aparece junto pertence junto. Tomemos o exemplo de um carro: há muito que um bebê suspeita que todos os carros têm rodas. Quanto mais carros ele vê, mais sua suposição se torna certa.
Repetindo: o mundo consiste em tentativa e erro. Um bebê trabalha por dias para pescar a chupeta que está em sua cama. Às vezes acontece por acaso. Seus movimentos estão ficando mais seguros. E aos seis meses, ele agarra o mamilo e o coloca com confiança na boca.

Determine o material de aprendizagem você mesmo

O mundo é um grande laboratório experimental, e os pequenos gostam de viver a sua curiosidade. Eles estão constantemente observando e experimentando. Eles mostram a mãe e o pai o que lhes interessa. Interpretando as mãos do quinto mês de vida, mostrando sua alegria mais cedo quando vêem um rosto familiar, convidando você a uma conversa com os primeiros sons de gurr e lall.

Pais que incentivam

A voz alta do vizinho? O flash do flash? Isso é perigoso? Uma rápida olhada na mãe ou no pai acalma-o. Sua postura relaxada, as expressões faciais amigáveis, a voz baixa sinalizam que está tudo bem. “Retorno” é o que os pesquisadores chamam de resseguro que os bebês de três e quatro meses procuram de seus pais. Torna-se cada vez mais importante quanto mais ativos os pequenos se tornam.

As crianças nunca aprenderão novamente tão rapidamente quanto no primeiro ano de vida. Seu cérebro aumentou três vezes durante esse período. Todas as conexões importantes nas diferentes áreas do cérebro são trocadas. E eles já adquiriram conhecimento intelectual que é a base para seu desenvolvimento intelectual adicional. Eles começam a pensar abstratamente: no final do primeiro ano de vida, os pequenos sabem que ainda existem coisas quando não podem ser vistas. Dessa forma, eles podem se lembrar da imagem da mãe ou do pai – mesmo que estejam separados deles. Isso é importante para o caminho da independência: quanto mais segura a criança estiver, mais estável ele exibirá as fotos de seus entes queridos, mais fácil será para ele dar o primeiro passo no mundo grande.

A melhor escola: faça você mesmo

Você não precisa ler música Mozart no quarto das crianças ou ler muita literatura. Os jogos que apresentaremos a você abaixo e o que seu filho está procurando em termos de sugestões são suficientes. O segredo de um sucesso posterior na escola é, acima de tudo, que as crianças possam experimentar como as coisas funcionam desde o início. Quando os pais mostram aos filhos como construir uma torre a partir de quarteirões, pode ser fascinante por um curto período de tempo – mas será um passo importante no desenvolvimento, se estiver claro como colocar os blocos em cima uns dos outros. Obviamente, uma pequena ajuda é permitida. Mas o pesquisador de Munique, professor Dr. Mechthild Papousek diz: “Tudo o que ensinamos à criança não pode mais aprendê-la”. Isso inclui não empurrar um chocalho na mão da criança, mas deixe-o alcançá-lo. As pessoas pequenas que se esforçam fazem um progresso maior. Basicamente, as crianças aprendem mais quando tomam a iniciativa e dialogam ativamente com o ambiente.

Como apoiar seu bebê no primeiro ano

  • Prepare-se para o seu filho e seja guiado pelas necessidades dele. Dê-lhe amor, proximidade e ternura.
  • Fale com ele. Está pronto quando se volta para você e suas mãos estão abertas. Se tiver o suficiente, desviará a cabeça.
  • A partir do terceiro mês, você pode mostrar ao bebê objetos e imagens coloridas, um celular sobre a cama é ideal.
  • A partir do sexto mês, você pode conversar com seu bebê. Se você disser algo, ele responderá com sons.
  • Jogos com dedos e cócegas fazem bebês a partir dos seis meses de idade felizes.
  • Jogos de esconde-esconde são ideais a partir do sétimo mês. Faça um item desaparecer e evoque-o novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *