Bebê amamentando na mãe
Amamentação

Uma mãe doente deve amamentar?

Nos primeiros meses após o nascimento do bebê, principalmente quando uma mãe amamenta seu pequeno, pode ocorrer que em algum momento ela adoeça, uma vez que sua imunidade já chegou ao limite durante a gravidez.

No entanto, qualquer doença, mesmo a mais inofensiva, pega uma mãe que amamenta de surpresa e, como regra geral, a primeira coisa que lhe interessa é, se ela pode continuar alimentando seu bebê para não prejudicar a si mesma e a ele. Então vamos entender!

Uma mãe doente deve amamentar?

Doenças nas quais você não pode amamentar

Saiba que não existem tantas doenças que seja necessário interromper o aleitamento materno. A lista de doenças prejudiciais ao bebê incluem: doenças oncológicas, HIV, tuberculose, doença mental, além de doenças somáticas graves. 

Mais recentemente, a hepatite B e a hepatite C foram excluídas dessa lista, porque hoje a presença dessas doenças na mãe não é mais um motivo para interromper a amamentação. É sempre importante buscar orientação de um médico referente a uma dessas doenças.

Estudos demonstraram que o vírus da hepatite C não passa para o leite materno e, com a hepatite B, sua concentração é tão baixa que não pode prejudicar o bebê.

O principal é manter a integridade dos mamilos, sem nenhuma lesão para que o bebê não tenha contato direto com o sangue, pois é uma maneira de evitar a contaminação.

A lista de doenças nas quais é impossível amamentar um bebê também pode incluir doenças crônicas na fase aguda.

Doenças crônicas

Nem toda doença crônica é motivo para interromper a amamentação. Tudo vai depender do estágio da doença. Caso a mamãe se encontre em um momento de crise é aconselhável dar uma pausa no aleitamento para não sobrecarrega-la.

A carga nesse momento deve ser minimizada o máximo possível. Neste caso é melhor se cuidar, pois antes de tudo, a criança precisa de uma mãe saudável e forte.

Se você se sentir febril é importante procurar a orientação de um médico, porque geralmente a febre significa algum tipo de infecção. O profissional médico poderá orientar de maneira mais adequada um tratamento e medicação específica que não interfira na amamentação.

Se a temperatura for difícil de tolerar, (estiver muito alta) você pode tomar um remédio à base de paracetamol ou ibuprofeno, mas é melhor ir antes ao médico. A amamentação não deve causar danos para uma mãe e nem para uma criança.

medindo a temperatura

Medindo a temperatura

Uma mãe que amamenta não está livre de ter algum problema de saúde. Felizmente, o corpo dela produz anticorpos que protegem o bebê. Assim sendo, amamentar uma criança é muito mais seguro do que deixar de amamentar durante o período da doença.

Problemas na amamentação: rachaduras, lactostase, mastite e abscesso.

Rachaduras e lactostase, são algumas condições desagradáveis que ocorrem durante a lactação. Para sua prevenção, você precisa conhecer e seguir as regras básicas da amamentação, como acomodar melhor o bebê ao peito.

Para o tratamento desses problemas, os produtos à base de pantenol são adequados. Se as rachaduras não cicatrizarem pode ser que exista algum fungo na mama. Com a lactostase o ideal é retirar o leite do peito e alimentar o bebê na mamadeira, até que a mama seja restabelecida.

A mastite é uma inflamação no peito causada por uma infecção bacteriana. Caso seja confirmada a doença o uso de antibióticos é o mais indicado, neste caso o ideal é fazer a retirada do leite e alimentar o bebê fora do peito.

Se houver pus no leite, todo o leite purulento precisa ser separado e só então pode ser dado ao bebê. Como é um processo muito difícil de realizar, o ideal é alimentar a criança fora do peito.

É um momento muito doloroso, tanto para mãe quanto para o filho, porque quanto mais a criança sugar mais machucado o seio vai ficar.

Medicamentos compatíveis

De fato, a maioria dos medicamentos são compatíveis com a amamentação. Para verificar isso de maneira confiável, leia a bula do seu medicamento. Sempre existe a indicação para lactantes.

Uma boa opção pode ser a medicina alternativa à base de medicamentos homeopáticos, plantas e óleos essenciais. De qualquer forma consulte seu médico para fazer uso dessas terapias.

Tratamentos homeopáticos são 100% naturais mas não significa que sejam totalmente seguros.

A medicina alternativa com produtos orgânicos podem desenvolver uma condição alérgica, por isso é importante a opinião de um especialista.

Ausência da mãe na amamentação

Mesmo que a mãe precise se ausentar por um motivo ou outro, o bebê ainda pode receber o leite materno, através da decantação, que nada mais é do que retirar o leite do peito para amamenta-lo no período em que a mãe não está presente. 

No momento em que a mamãe está em casa, a retirada do leite pode ser feita de 3 em 3 horas, três vezes ao dia, para que seja armazenado e usado no período de ausência.

Caso essa mãe precise passar por uma cirurgia com anestesia local, seu filho pode ser amamentado de 6 a 12 horas após o procedimento cirúrgico.

como ser tratada

Cuidados e procedimentos médicos

A mamãe que amamenta deve sempre avisar que é uma lactante antes de qualquer procedimento médico. O ultrassom e o raio-x devem ser a última opção para mulheres grávidas ou que estejam amamentando.

O uso da radiação através desses exames pode ser bastante prejudicial a condição da mãe, mas o profissional da saúde geralmente vai orientar referente aos riscos. Caso isso não ocorra, informe sobre a amamentação.

Se o tratamento for odontológico, não existe contraindicação mesmo que seja solicitado um raio-x dentário, pois o peito fica protegido por um avental de chumbo, e não fará mal à mãe que amamenta. 

Em caso de depressão

A depressão também é uma doença, que ocorre durante a gravidez e após o parto. Se for diagnosticada, o tratamento com antidepressivos é prescrito, de forma que não prejudique ou interfira na amamentação. 

Também pode ser prescrita terapia com luz, ingestão de ácidos graxos ômega-3 e ginástica apropriada.

Durante o tratamento da depressão a mãe pode e deve amamentar seu filho, fortalecendo os laços e dessa forma ajudando a curar as feridas emocionais nesse período tão difícil.

Se você tiver alguma dúvida ou curiosidade, deixe nos comentários. Compartilhe com seus amigos e nos ajude a orientar outras mamães. Confira mais assuntos relacionados a maternidade aqui em nosso site. Obrigada e até a próxima!

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *